Barbear Tradicional

Versão completa: A água dura e os sabões
Você está visualizando uma versão simplificada de nosso conteúdo. Ver versão completa com a formatação apropriada.
Páginas: 1 2 3
Não vi nenhum tópico sobre o assunto aqui no fórum então resolvi criar um.

Primeiro o que é a água dura e de onde vem?

De forma bem simplificada a água dura é uma água com altos teores de íons Cálcio, Magnésio e alguns outros menos importantes, e a variação das concentrações desses íons gera águas com maiores ou menores durezas.
Esses íons vêm das mais variadas fontes, mas o mais comum é de solos calcários, onde uma alta presença de calcita ou dolomita (carbonatos de cálcio ou magnésio) os libera ao leito d’agua. Isso é comum, esperado e normal de acontecer. Toda água natural vai ter certo teor desses íons. Regiões com um solo bastante calcário vão ter aguas mais duras que regiões com solos menos calcários. Além disso, a acidez do solo e da água da região influenciam nesse equilíbrio, já que em solos mais ácidos os íons carbonatos reagem com o H+ e liberando assim mais cálcio e magnésio para a água (isso inclusive está acontecendo no mar onde com o aumento de CO2 na atmosfera o mar tem ficado mais ácido e alguns corais começaram  serem degradados, mas isso totalmente não vem ao  caso).
Segue uma reaçãozinha ai em baixo.

[Imagem: iFQJzkq.png]



E por que diabos a dureza da água influencia nos nossos sabões?


Os sabões normais são substâncias anfifílicas que se comportam como tensoativos. O que isso quer dizer? Quer dizer que os sabões são “solúveis” tanto em água quanto em óleos, por exemplo, e que reduzem a tensão interfacial entre eles, ou seja, deixa que ele se “misturem” outra consequência deles serem tensoativos é a formação de bolhas (grandes ou pequenas ao gosto do cliente).

Um dos compostos mais comumente utilizados nos nossos sabões é o estearato de potássio. Segue uma imagem dele aí abaixo.

[Imagem: 2soGxkp.png]


A parte carbônica (esses tracinhos da imagem, chamada de calda apolar) é hidrofóbica, ou seja, não “gosta” de interagir com a água e a parte com os oxigênios e o potássio é hidrofílica (chamada de cabeça polar) e gosta bastante de interagir com a água. Por conta dessa estrutura os sabões se organizam na água de forma semelhante a essa figura abaixo:

[Imagem: VISZ1FA.png]

Nessa representação as bolinhas são as cabeças polares e os rabinhos as caldas apolares. Isso é só uma representação bidimensional, ela é esférica na água (isso NÃO é uma bolha de sabão!!!!!). As cabeças ficam em contato com a água e dentro das micelas (o nome dessas estruturas) ficam as coisas oleosas sujeiras e tudo mais. É assim que um sabão funciona e limpa sua cara!


Bem, e o que a água dura tem há ver com isso?



De forma bem simples para que ocorra a formação das micelas os íons do sabão (que são sais! Portanto não existe sabão sem sal...) precisam se solubilizar na água e isso acontece normalmente, contudo quando o íons estearato estão livres em solução eles vão interagindo com tudo que tem pela frente até que chega um cálcio ou magnésio. Quando o íon estearato “encontra” com cálcio ou magnésio ele forma um composto insolúvel, estearato de cálcio ou magnésio (soap scum), e acaba com a brincadeira. Enquanto os estearatos de sódio e potássio são incrivelmente solúveis em água os de cálcio e magnésio normalmente na temperatura ambiente tem uma solubilidade de apenas 3 a 4 mg por 100mL. Por conta disso além da quantidade real de sabão disponível diminuir muito a presença desses sólidos atrapalha tudo. Segue em baixo uma imagem do estearato de cálcio.

[Imagem: nDGDeOq.png]


Resumindo, a água dura atrapalha a formação da espuma, o que leva o usuário a ter de carregar mais o sabão e trabalhar melhor a espuma para obter um resultado bom.

Para entendimento pode-se substituir o estearato que vem do ácido esteárico pelos outros comumente utilizados, com tallow, cocoato, palmitato, mirístico e por aí vai, o comportamento  é o mesmo.
 


Cuidados a se ter ao morar em região com água de maior dureza.

Carregue o pincel com sabão por mais tempo ou utilize maior quantidade de creme.

Os sólidos formados no processo se acumulam principalmente no pincel (geralmente é a sujeira de sabão difícil de tirar, que fica agarrada), independente da dureza da água, mas como são formados em maior quantidade em regiões com águas mais duras, tome um cuidado especial. Lave o pincel com maior frequência de preferência utilizando detergente neuro e água morna. O bom de se utilizar detergentes é que eles não formam esse sólidos.

Caso a situação esteja realmente difícil na formação da espuma procure cremes ou sabões que tenham EDTA ou ácido cítrico em sua composição. Eles são agentes complexantes que tem como função retirar íons metálicos da solução, deixando a água menos dura para o preparo da espuma. Diversos cremes industrializados possuem. Não vai salvar a pátria mas ajuda um pouco. Inclusive por esse motivo diversos shampoos os utilizam, pra evitar que o cabelo fique duro em algumas regiões.

Espero que gostem e que tenha ficado de fácil entendimento.
Bela explicação, merece ficar em fixo.



Enviado de meu TELETRIM usando Tapatalk
Excelente explicação, mais um químico fã de um bom barbear...
Merece fixo!!! Adoro química e a explicação ficou show Big Grin
Obrigado pessoal, que bom que gostaram.
Depois vou acrescentar algumas coisas.

Vou ver se com tempo faço outros do tipo.
(09-04-2016, 06:14 PM)rodrigoqui Escreveu: [ -> ]Obrigado pessoal, que bom que gostaram.
Depois vou acrescentar algumas coisas.

Vou ver se com tempo faço outros do tipo.

Faça isto Wink
Mujito boa a explicacão. Parabéns!
Acrescentei mais um tópico para complementar, espero que ajude.
Fiquei feliz que agradou!
Muito bom !!!

Me parece que os sítios ao Sul aí de Portugal tem mais água ! Certo !?

Parabéns !
Onde eu vivo provisioriamente (até Junho) a água é dura!

Fazer sabão com pincel é uma loucura, porque eu tenho de usar quase 3 vezes mais sabão. Limpar o pincel é outra briga, porque o sabão agarra na cerda e não sai.

Não vejo a hora de voltar para casa... rsrs
Páginas: 1 2 3